terça-feira, 29 de outubro de 2013

A esperada estreia da série Dracula



The Blood Is The Life é o episódio de estreia da série Dracula, que foi ao ar na última sexta-feira, dia 25/10, nos Estados Unidos. Estrelada por Jonathan Rhys Meyers, é baseada na obra de Bram Stocker, e a única série no ar sobre vampiros que não se passa na atualidade.

No final do século dezenove, Drácula/Alexander Grayson/Vlad Tepes chega a Londres como um empresário americano visionário, que tem como meta apresentar a ciência moderna à sociedade vitoriana, enquanto planeja se vingar dos responsáveis pela morte de sua esposa. Seu principal interesse é na iluminação, ou seja, não precisar mais evitar o sol. Tudo parecia estar muito bem planejado e decidido, até que ele conhece uma mulher que pode ser a reencarnação de sua esposa a ser vingada.


Os produtores da série buscam trazer o Drácula sedutor da história de Bram Stocker ao cenário. Acredito que acertaram ao escolher Meyers para interpretá-lo. Ator de grande talento, habituado a interpretar personagens complexos, deixou os espectadores em polvorosa ao estrear a premiadíssima The Tudors. Porém, não basta um ator como este se o roteiro é confuso, o cenário, idem, e o episódio de estreia, aquele esperado pelos fãs do gênero, aquele que deveria seduzir os espectadores, falha na missão. Faltou em The Blood Is The Life a coerência, a promessa de que os próximos episódios desvelarão grandes tramas. A única questão apresentada neste episódio foi a da parceria – puramente focada na vingança - entre Drácula e Van Helsing, o famoso caçador de monstros, especializado em vampiros. Talvez daí possa sair algo que fortaleça a série.

Obviamente, não é o caso de desistir de Dracula. Na verdade, habituada que sou a escrever somente sobre o que gosto, eu declaro que sim, gostei da ideia da serie, acredito em Meyers como um ator que pode criar um Drácula tão interessante quanto Gary Oldman no filme de  Francis Ford Coppola. Só que para isso, produtores e roteiristas terão de trabalhar duro, porque Drácula é um personagem que reina absoluto no cenário dos vampiros. Há ótimas séries sobre vampiros, mas ainda não há uma realmente sedutora sobre o Conde Drácula, e mais, que se passa em outra época, não às malhas dos telefones celulares e da internet.

Dracula ainda não tem previsão de estreia no Brasil.


segunda-feira, 21 de outubro de 2013

James Spader e a sua Blacklist

Um anti-herói pode ser muito mais interessante, justamente pelas características que os diferem dos heróis clássicos. Um anti-herói é um personagem que costuma fazer quase sem querer, como se fosse o efeito colateral de escolhas egoístas, que sempre visam o benefício próprio, ou aguçam o seu interesse. 

No mundo das séries, por exemplo, temos House, Dexter e aquele que tinha tudo para ser herói, mas escolheu ser anti-herói, Mr. White, de Breaking Bad. As séries desses protagonistas acabaram, mas jamais os esqueceremos, porque eles fizeram bom uso do título de anti-herói.

The Blacklist
The Blacklist gira em torno de um ex-agente do governo que acaba como um dos fugitivos mais procurados pelo FBI, por ter se tornado um facilitador para os negócios de criminosos de todo o mundo. James Spader interpreta Raymond “Red” Reddington, que se oferece ao FBI para ajudar a capturar alguns dos criminosos para os quais presta serviços. A princípio, os agentes do FBI acreditam que tenham somente ticado um dos nomes da lista dos mais procurados. Porém, o acordo entre Reddington e o FBI se mostra muito mais complexo, tem de ser ao gosto do criminoso.

Reddington prova poder ajudar o FBI com a sua própria lista. Para tanto, ele precisa continuar a levar a vida de sempre, exercendo a sua função criminosa. Porém, o mistério se apresenta com outra exigência, a de que ele falará somente com a novata Elizabeth Keen, uma profiler (que traça o perfil dos criminosos) que não o conhece.

The Blacklist
Foram exibidos quatro episódios da primeira temporada. The Blacklist ganhou a temporada completa, de vinte e dois episódios, o que tem sido raro para as novas produções. O mistério em relação ao motivo de Reddington exigir trabalhar com Keen, e a forma como ele a conduz até que o FBI consiga capturar o criminoso da vez, mostra que esse é um mais anti-herói pronto para cair no gosto dos espectadores. James Spader, que emplacou um ótimo Alan Shore em Justiça Sem Limites (Boston Legal), traz o mesmo tom irônico para Reddington. 

Boston  Legal: Alan Shore (James Spader) e Denny Crane (William Shatner)
O que posso dizer, neste momento, é que The Blacklist é uma das estreias que mais me agradaram, das que me faz esperar ansiosamente pelo próximo episódio. Apesar de acompanhar a carreira de James Spader desde sempre, é a primeira vez que o vejo encarar um criminoso com potencial para se tornar um anti-herói dois mais apaixonantes. 

James Spader como Raymond "Red" Reddington


The Blacklist
Terça, às 21h
Canal Sony