sábado, 17 de outubro de 2009

Dummy


Publicado originalmente no site
Crônica do Dia, em  08/02/04

Quando assisti ao Pães e Rosas (Bread and Roses/2001 |  Ken Loach), não encontrei nele o Adrien Brody do filme O Pianista (The Pianist/2002 | Roman Polanski). Mesmo tratando de um tema tão difícil como a Segunda Guerra Mundial e a invasão da Varsóvia pelos alemães, além da restrição aos judeus poloneses pelos nazistas, O Pianista é poesia do começo ao fim, talvez por ter sido baseado nas memórias do pianista polonês Wladyslaw Szpilman, um sobrevivente, e por ter sido magnificamente interpretado por Brody.

Pães e Rosas é um filme fantástico sobre pessoas comuns tentando sobreviver, imigrantes que trabalham nos Estados Unidos sem que os seus direitos trabalhistas sejam respeitados. É nesta hora que o sindicato entra em cena, trazendo um Brody que apresenta aos imigrantes a opção de ir à luta, e as conseqüências disso geram os momentos mais tensos do filme, que gira em torno da personagem vivida por Pilar Padilla, quem o faz belamente.


Tão fascinante quanto nestes dois filmes que tratam de temas tão difíceis, é a atuação de Brody no hilário Dummy — Um Amor Diferente (Dummy/2002 | Greg Pritikin), uma mistura de comédia, drama e romance que nos prende do começo ao fim, levando-nos até mesmo a refletir sobre os nossos próprios embaraços.

A ideia de uma pessoa completamente desgostosa com a vida e desacreditada pela família que resolve ser ventríloquo já é interessante. Quando Steven, personagem vivido por Brody, vai a uma agência de empregos e se oferece como ventríloquo, conquistando a atendente que se transforma na paixão da sua vida, o filme se torna engraçado e apaixonante.

A amizade entre Steven e a tresloucada da Fangora, uma punk líder de banda vivida por Milla Jojovich, nos faz achar que o impossível acontece e, em pouco tempo, o impossível se apresenta provável. Assim como Steven, Fangora não se encaixa no mundo convencional. E Jojovich construiu o personagem belamente. Ela que já foi a Joana D'Arc de Luc Besson, e enfrentou sérios questionamentos sobre o seu talento, prova, mais uma vez, que é ótima em papéis extravagantes, como aqueles que viveu nos filmes O Quinto Elemento (The Fifth Element/1997 | Luc Besson) e O Hotel de Um Milhão de Dólares (The Million Dollar Hotel/2001 | Wim Wenders). E o que Fangora faz para conseguir tocar no casamento que a irmã de Steven está 'produzindo'... É bárbaro!

A relação entre Steven e o seu boneco é a mesma que muitos de nós temos com a vida. Tudo de sério, belo, honesto e que dá medo de dizer, quem diz é o boneco, como se através dele não fosse tolo dizer certas coisas, revelar certos segredos, como se ele, Steven, estivesse imune às conseqüências do que o boneco revelava. E Steven passa o filme todo brigando com ele mesmo através do seu inseparável amigo e, sem querer, se encontrando.

Brody está fantástico em Dummy e divertidíssimo. Definitivamente, trata-se de um ator versátil e talentoso, capaz de desempenhar qualquer papel como se estivesse vivendo a sua própria vida.


0 comentários: