Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2009

Allison DuBois | Medium

Imagem
Ela não é apenas uma personagem de série de televisão interpretada pela talentosa Patricia Arquette. Baseada na vida de Alisson DuBois, Medium é uma das séries mais interessantes e assistidas. Para quem não sabe como a verdadeira Alisson descobriu e desenvolveu seu talento para ver e ouvir os mortos, pode conferir o livro Não é preciso dizer adeus , de sua autoria, onde ela narra suas primeiras experiências e o processo de compreensão deste dom. A leitura flui, a linguagem é simples, e assim podemos compreender melhor o trabalho que Allison DuBois vem fazendo, entre vivos e mortos. Medium - elenco da série

LIFE - uma série para se levar a sério

Imagem
Enquanto zapeava, freneticamente, depois de desistir de assistir um filme na TV a cabo que não estava me agradando em nada, fui fisgada pela cena e me detive nela por algum tempo. Não conhecia, jamais ouvira falar a respeito. Ainda que seja frequentadora de sites sobre séries, costumo me aprofundar naquelas que estou acompanhando, por pura necessidade de coordenar o tempo disponível para esse meu gosto, combinado ao fascínio pelo cinema. Apenas alguns minutos e saí de cena, pulando para outro canal e decidida a conferir do piloto ao último episódio transmitido pela TV. Bastaram alguns diálogos, uma breve idéia do tom, do ritmo da série, e estava decidida a embarcar nessa jornada. Pronta para entrar, de mala e cuia, no universo do detetive Crews. Life estreou no Brasil em setembro de 2008, no canal AXN. É uma produção da NBC e seu criador é Rand Ravich, diretor e roteirista do excelente “Enigma do Espaço” (The Astronauta’s Wife / 1999), com Johnny Depp e Charlize Theron. A série co

Adeus Louie Bellson

Imagem
(1924-2009) No último dia 14, o cenário musical perdeu Louie Bellson. Baterista, compositor, autor e educador, Louie Bellson está presente em todos os círculos musicais. Seja nas escolas, onde os métodos de sua autoria auxiliam estudantes de bateria a lapidarem seu talento; seja nas grandes orquestras, nas quais suas composições integram o repertório, ou até mesmo na sua contribuição em gravações de grandes nomes da música mundial. Não há como mensurar a importância de Bellson no cenário musical, mas basta nos lembrar do que o compositor e pianista Duke Ellington disse sobre ele para compreendermos que a que ele veio. Nas palavras de Ellington, Bellson é “o maior baterista do mundo”. Bellson fez parte do Big Three, que incluía outros dois ícones da bateria: Gene Krupa e Buddy Rich. Gravou e tocou como líder, co-lider e/ou músico acompanhante com Duke Ellington, Count Basie, Benny Goodman, Tommy Dorsey, Harry James, Woody Herman, Norman Granz' J.A.T.P., Benny Carter, Sarah Vau

O Leitor

Imagem
Ao nos depararmos com histórias como a contada pelo filme O Leitor (The Reader / 2008), adaptação do best seller do alemão Bernhard Schlink, não há como não sentir emoções desencontradas. O escritor, nascido em 1944, quase no fim da II Guerra Mundial, cresceu permeado pelas auguras da herança deixada pelo nazismo, vivendo numa Alemanha que tentava sobreviver à culpa coletiva pós-Holocausto. Bernhard também expõe a dolorida tarefa de ver pessoas próximas, às quais jamais se delegaria a autoria de crueldades, serem apontadas como funcionários do Holocausto, adeptos do III Reich, informantes da Gestapo. É justamente a proximidade, o conhecimento do indivíduo, e não o contexto geral e o olhar distante, que faz de O Leitor um exercício de questionamento; a contemplação das culpas e também da incapacidade de compreender completamente o que leva um ser humano a tirar a vida de outro, seja como autor do feito ou aquele que, silenciosamente, guarda os portões da masmorra, cumprindo seu

Dave além da música

Imagem
Olhando de longe, com esse olhar de apreciadora convicta do trabalho desse músico e compositor, posso dizer que o que mais me atrai no Dave Matthews é justamente o fato de ele ser tão peculiar. A ousadia do líder da Dave Matthews Band, da qual tive o prazer de assistir o show no ano passado, quando a banda passou pelo Brasil, não se atém às letras que compõe ou ao fato de fazer parte de uma banda que é banda, apesar de levar seu nome e ser de sua autoria a maioria das canções do repertório dela. Ela também vai além de a Dave Matthews Band ser uma banda com instrumentistas de primeira linha, que se preocupam com a música e não têm medo de tornar as canções uma combinação de boas letras com arranjos requintados e bem executados. Essa ousadia da pessoa Dave Matthews também está nas suas escolhas profissionais nas telas. Em 2008, ele fez uma ponta no filme Zohan – O Agente Bom de Corte (You Don’t Mess with The Zohan), como o insano e bigodudo James. Recentemente, assisti na TV

51st Grammy Awards

Imagem
Há alguns anos que o Grammy não me surpreendia tanto como ontem, 08 de fevereiro. Diferente das edições exaustivamente regadas ao Hip Hop – nada contra, mas sabemos que não só de Hip Hop vive a música -, ontem também subiram ao palco da premiação o rock’n roll, o country, o rhythm’n blues, enfim, a variedade que compõe o cenário musical mundial. E todos os estilos muito bem representados. Para abrir a 51ª edição do Grammy Awards, o U2 apareceu no palco e garantiu uma performance das inebriantes, com a canção “Get On Your Boots”, um tipo hino antiguerra que fez com que lembrássemos por que esta ainda é uma das mais queridas bandas dos últimos tempos. Justin Timberlake, que conquistou meu gosto pelo talento em cantar, tocar vários instrumentos, compor, produzir e por aí vai, chamou ao palco uma das lendas da música mundial, Al Green, e com ele fez um dueto com a canção que se tornou inesquecível na voz de Tina Turner, “Let’s Stay Together”. Mais tarde, Justin voltou ao palco para m

Sons & Imagens

Imagem
Há períodos em que sinto uma mudança interna muito eficiente, mas as músicas não mudam. Passo a ouvir sempre os mesmos discos, numa discoteca afoita, de quem descobre frestas, janelas, portas, abismos nas canções. E para mim tudo fica muito mais intenso quando a música e o cinema se encontram. Ano passado eu assisti dois filmes dos quais a trilha sonora entrou para minha lista de soundtracks queridinhas. “Apenas Uma Vez” (Once), um filme onde a música é atriz principal, dirigido por John Carney; e “Um Beijo Roubado” (My Blueberry Nights), belíssimo filme de Wong Kar Wai, tiveram suas trilhas sonoras tatuadas no meu benquerer musical. “Apenas Uma Vez” eu assisti duas vezes e já coloquei na lista para repetir o feito. Do começo ao fim do filme a música é que rege as emoções pinceladas de dois compositores que encontram nela o fôlego para continuarem suas jornadas. É um filme que parece documentário e que conta com músicos sendo atores, e não o contrário, por isso as cenas em que os