Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015

Filipe Catto | Voz, palco, música e poesia

Imagem
Feito uma droga lenta Uma ressaca imensa Tua boca me arrebenta, amor Me leva por um fio, me despe no vazio Da canção “Adorador”, de Filipe Catto e Pedro Luís, do disco Tomada Sábado passado, estive no Auditório Ibirapuera, em São Paulo, para assistir, ao lado de grandes amigos, ao show de lançamento do disco Tomada , de Filipe Catto. Eu já havia escrito a respeito do impacto desse artista e desse disco na minha pessoa – o espírito agradece profundamente –, em uma crônica publicado no Crônica do Dia, e que você pode ler clicando aqui . Escrevo sobre o que me alimenta a alma. E esse show, meus caros...  Filipe Catto é recente na minha lista de afetos. Fisgou-me a atenção com a canção Adoração , de sua autoria, ano passado. A partir daquele momento, de ter escutado tal canção, tornei-me apreciadora de sua obra, da interpretação poderosa que ele oferece à música.  Porém, havia esse espaço não preenchido nessa benquerença toda. Vê-lo no palco, escutá-lo can