quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Tinha Que Ser Você


Este é um filme que se aproxima da realidade de muitos que acreditam que já tiveram a chance de amar e ser amado, agora é levar a vida.

Joel Hopkins, o diretor, acredita que é muito mais fácil fazer um filme sobre o romance entre dois jovens, no ápice do apaixonamento, lindos, repletos de esperanças, do que falar de amor quando já se passou dos quarenta, a mortalidade é altamente questionada, e há ex-esposa, filhos, ou um histórico familiar onde constam os atributos de uma solterice melancólica. Sendo assim, Tinha que ser você (Last Chance Harvey - 2009) é um filme com uma trama que pede muito mais esforço para ser contada com originalidade.

Emma Thompson adorou trabalhar com Dustin Hoffman em Mais estranho que a ficção (Stranger than fiction – 2006), mas a participação dele foi pequena, e ela desejava um novo projeto, no qual eles pudessem interagir e construir uma história.

As diferenças entre os personagens de Emma e Dustin são tantas, físicas e sociais. Porém, quando olhamos o cenário geral, percebemos o emocional da trama, percebemos que as diferenças não são tão poderosas quando o desejo de se abrir para o amor que eles já desejam secretamente, pois estão certos de que jamais o terão.

Um compositor de jingles desempregado e frustrado porque queria mesmo era ser pianista de jazz. Uma funcionária do Departamento de Estatísticas Nacionais que trabalha no aeroporto, que cuida de uma mãe que se aproveita do fato de ela não ter sua própria família para mantê-la por perto. Dizem que o amor pode nos levar às escolhas mais malucas, mas, certamente, às vezes ele nos faz compreender que é preciso amadurecer nossos desejos para ser capaz de aproveitar o sentimento oferecido. E este filme, de uma forma muito bonita, nos leva à tal compreensão.


0 comentários: