segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Aos que nos ensinam a aprender


Conheço alguns professores. Há algo neles que me deixa admirada, não apenas pela dedicação em ensinar, mas também pela capacidade deles de reconhecer em seus alunos o caminho a seguir para que eles aprendam o ensinado.

Sei que isso é bem complicado com as salas de aula cheias... prestar atenção em cada aluno e entender que há diferença na forma como eles aprendem. Encontrar opções mais abrangentes, que vão além do ensino padronizado, porém, atendendo ao programa de ensino. Mas é isso... às vezes, precisamos que aquele que nos guia entenda que somos diferentes da maioria. Que é preciso trabalho extra para que alcancemos aquele entendimento.

Ensinar é de uma lindeza sem fim. Tive a sorte de ter professores admiráveis, mas nem sempre na sala de aula. Professores que a vida me apresentou. Na sala de aula, posso citar duas professoras que conseguiram entender como eu funcionava, e me ajudaram a aprender, em um momento em que olhar para os lados era um problema para mim. Dona Beatriz e Dona Amelinha, professoras de Português e de História. As aulas delas eram uma verdadeira viagem, porque é muito, mas muito bom quando somos capazes de nos conectarmos com o que é ensinado, por conta da paixão de quem ensina. Serei eternamente grata a elas.

Eu gosto de aprender e esse gosto me aconteceu logo na infância. Sempre fui curiosa sobre como isso serve para aquilo; como essa pessoa funciona assim e aquela outra funciona de outro jeito. A curiosidade é o princípio de um conhecimento que vamos adquirindo com as nossas experiências. Também é algo que muitos professores têm de trabalhar arduamente para despertar em seus alunos. Está lá, nem todos acessam com facilidade.

Tenho amigos professores. Já escutei muitas histórias ligadas ao cotidiano deles. Algumas são de encher o espírito de contentamento, porque é muito bom ver alguém aprendendo, conquistando seu espaço, e então, ensinando também. Outras são de entristecer profundamente. É a desqualificação da profissão enfrentando a desqualificação do aluno como ser humano. Pessoas que não enxergam no aprendizado uma saída para a vida caótica que levam. É a violência, física e emocional, ganhando terreno.

Hoje, agradeço a todos os professores que passaram pela minha vida. Há tanto valor na arte de passar adiante um conhecimento, que temos de celebrá-los. Hoje, celebro a todos os professores, ainda que eu não saiba seus nomes, nunca os tenha encontrado, frequentado suas aulas ou até mesmo conversado com eles. Não há distância no que acredito: quem ensina proporciona a quem aprende a possibilidade de enfrentar os desafios que a vida oferece, assim como valorizar conquistas, as próprias e as das outras pessoas.

Hoje, agradeço a todos que me ensinaram e aos que continuam a me ensinar, seja na hora da aula ou durante um café. Que possamos compreender, de maneira a aproveitarmos essa compreensão, que somos todos capazes de aprender a dignidade, a justiça, a gentileza, a ciência, o português, a biologia, a música, mais um idioma, a culinária, a engenharia, a matemática, a medicina, o respeito, a moda...

Toda a minha admiração e gratidão aos professores.

2 comentários:

Vera Figueiredo disse...

Obrigada a você. Eu tambem aprendo muito com você. Bj

Daniel Oliveira disse...

Dias,
Obrigado por tudo que me ensinou! E claro, por tooooodo o café!
Bjao!