segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Aos que nos ensinam a aprender


Conheço alguns professores. Há algo neles que me deixa admirada, não apenas pela dedicação em ensinar, mas também pela capacidade deles de reconhecer em seus alunos o caminho a seguir para que eles aprendam o ensinado.

Sei que isso é bem complicado com as salas de aula cheias... prestar atenção em cada aluno e entender que há diferença na forma como eles aprendem. Encontrar opções mais abrangentes, que vão além do ensino padronizado, porém, atendendo ao programa de ensino. Mas é isso... às vezes, precisamos que aquele que nos guia entenda que somos diferentes da maioria. Que é preciso trabalho extra para que alcancemos aquele entendimento.

Ensinar é de uma lindeza sem fim. Tive a sorte de ter professores admiráveis, mas nem sempre na sala de aula. Professores que a vida me apresentou. Na sala de aula, posso citar duas professoras que conseguiram entender como eu funcionava, e me ajudaram a aprender, em um momento em que olhar para os lados era um problema para mim. Dona Beatriz e Dona Amelinha, professoras de Português e de História. As aulas delas eram uma verdadeira viagem, porque é muito, mas muito bom quando somos capazes de nos conectarmos com o que é ensinado, por conta da paixão de quem ensina. Serei eternamente grata a elas.

Eu gosto de aprender e esse gosto me aconteceu logo na infância. Sempre fui curiosa sobre como isso serve para aquilo; como essa pessoa funciona assim e aquela outra funciona de outro jeito. A curiosidade é o princípio de um conhecimento que vamos adquirindo com as nossas experiências. Também é algo que muitos professores têm de trabalhar arduamente para despertar em seus alunos. Está lá, nem todos acessam com facilidade.

Tenho amigos professores. Já escutei muitas histórias ligadas ao cotidiano deles. Algumas são de encher o espírito de contentamento, porque é muito bom ver alguém aprendendo, conquistando seu espaço, e então, ensinando também. Outras são de entristecer profundamente. É a desqualificação da profissão enfrentando a desqualificação do aluno como ser humano. Pessoas que não enxergam no aprendizado uma saída para a vida caótica que levam. É a violência, física e emocional, ganhando terreno.

Hoje, agradeço a todos os professores que passaram pela minha vida. Há tanto valor na arte de passar adiante um conhecimento, que temos de celebrá-los. Hoje, celebro a todos os professores, ainda que eu não saiba seus nomes, nunca os tenha encontrado, frequentado suas aulas ou até mesmo conversado com eles. Não há distância no que acredito: quem ensina proporciona a quem aprende a possibilidade de enfrentar os desafios que a vida oferece, assim como valorizar conquistas, as próprias e as das outras pessoas.

Hoje, agradeço a todos que me ensinaram e aos que continuam a me ensinar, seja na hora da aula ou durante um café. Que possamos compreender, de maneira a aproveitarmos essa compreensão, que somos todos capazes de aprender a dignidade, a justiça, a gentileza, a ciência, o português, a biologia, a música, mais um idioma, a culinária, a engenharia, a matemática, a medicina, o respeito, a moda...

Toda a minha admiração e gratidão aos professores.

segunda-feira, 1 de outubro de 2018

O dia em que Kleber Albuquerque leu o que estava escrito no muro


Lembro-me de quando li o título daquele disco, pela primeira vez. Minha cachola, toda enredada nos tantos pensamentos pulsantes que abriga, aquietou-se por um instante, dedicando-se ao lido: Para a Inveja dos Tristes.

Uns segundos depois, ela, a minha cachola, descarrilou punhados de pensamentos diversos novamente e me peguei imaginando que aquele daria um ótimo título para um livro. Que história contaria? Como seriam seus personagens? Em quais paragens eles estariam? O que, de fato, causaria inveja nos tristes? Uma tristeza menor, que provocasse nos tristes o desejo de senti-la? Uma alegria retumbante, das de deixar qualquer triste morrendo de vontade de ser feliz?

O disco era um apanhado de histórias que me agradou escutar. Daria um livro, mas era disco, dos que moram na minha preferência. Para mim, quem consegue silenciar meus pensamentos, ainda que por segundos, e com tão poucas palavras, e em seguida me inspirar tantas possibilidades, não apenas chama a minha atenção, mas acaba se tornando destinatário dela.

Sábado passado, fui ao show de Kleber Albuquerque nesse espaço muito interessante e acolhedor, o Casa Teatro de Utopias. O espaço cultural fica na Lapa, São Paulo, e vale conferir a agenda e conhecer o lugar: casateatrodeutopias.com.br.

O evento marcou o lançamento do single Os Antidepressivos Vão Parar de Funcionar, que fará parte do próximo disco do cantor e compositor. As canções que compõem o disco serão disponibilizadas homeopaticamente (sic) nas principais plataformas digitais. O disco físico será lançado em 2019.

Kleber Albuquerque
Ele leu a frase pichada em muro da cidade de São Paulo. Transportar o impacto que ela lhe causou para uma canção, deu início à criação de uma coleção de canções com letras poeticamente melancólicas, embrulhadas em diversidade musical e esperança dramaticamente descarada.

Kleber Albuquerque tem o dom de sintetizar em canções emoções arrebatadoras. E ele o faz com uma linguagem travestida de singeleza, porque há um refinamento no seu fazer poético que poucos conseguem alcançar, principalmente quando se trata de trançar poesia e música.   

Em tempos em que as palavras ecoam soltas, nem sempre combinadas de forma a celebrar o melhor do ser humano, a música de Kleber Albuquerque chega para desarrumar certezas e abrandar auguras. Há um significado ali, bradado pela voz, refletidos na melodia, ritmado nas cordas do violão, na sua postura no palco. Aliás, o palco cai muito bem ao artista, e a forma como o público corresponde ao oferecido por ele é a prova de que a música desse poeta tem muito a dizer e a inspirar. 

O show contou com uma série de momentos especiais.

Foi muito bom conhecer novas canções e recordar tantas outras. A participação de Rovilson Pascoal (violão/guitarra/ukulele) é sempre apreciável, visto que se trata de um ótimo músico para se travar parcerias. Eu o acho um grande instrumentista. 

Foi maravilhosa a participação de Rubi, que junto com Kleber lançou Contraveneno, um disco que é uma lindeza, que resultou em um dos shows mais bacanas que já assisti [clique AQUI para ler sobre o Contraveneno]. Foi emocionante quando eles tocaram Eta Nóis, canção de Luhli e Lucina, que faz parte do Contraveneno. Luhli faleceu semana passada e deixou muitos admiradores de sua música. 

Kleber Albuquerque e Rubi foram indicados para o 29º Prêmio de Música Brasileira, na categoria dupla, por conta do Contraveneno.

Também foi muito especial assistir ao show de um amigo tão querido, na companhia de outros amigos. 

A discografia de Kleber Albuquerque faz parte da trilha sonora da minha biografia, há seis discos – quase sete, se contarmos este que está em fase de criação – e tantos shows, tantos bate-papos, as criações dele inspiram as minhas, além de me ajudarem a compreender o mundo das contradições. São crônicas musicais, misturadas a relatos comoventes e a mergulhos interiores capazes de tocar até o coração escolado em evitar se entregar aos rompantes emocionais. 

Kleber Albuquerque é um artista plural. Assistir a um show dele é sempre uma experiência inspiradora. Conhecer suas canções - que fique o alerta! -, é correr o risco de se embrenhar em autoconhecimento. Não há como passar despercebido pela música dele. Sendo assim, aos que acompanham a carreira dele e aos que desejam conhecer uma obra que vale a pena ser conhecida, acompanhem a jornada do Os Antidepressivos Vão Parar de Funcionar. Acompanhe a trajetória desse artista que, para a inveja dos que sabem apenas ser tristes, sabe transformar tristeza em possibilidade para se abraçar felicidade.

Os Antidepressivos Vão Parar de Funcionar
Confira algumas canções: 
kleberalbuquerque.com.br/antidepressivos

Conheça e acompanhe:
Site oficial: kleberalbuquerque.com.br
Facebook: facebook.com/kleber.albuquerque
Instagram: instagram.com/kleberalbuquerqueoficial
Twitter: twitter.com/kleberalbuquer
YouTube: youtube.com/kfa17


quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Meu afeto pelos filmes e Alan Parker

Eu sempre gostei de filmes. Menina, costumava assistir a qualquer um que passasse na tevê, mas não os de terror. Esses sempre me deixavam meio agoniada, então os evitava. Eu os evito até hoje, apesar de abrir exceções para certos atrevimentos.

Não era apenas entretenimento. Eu queria mais daqueles filmes. Eu queria entender como eles funcionavam. Minha curiosidade se apegava aos detalhes: de onde veio a ideia para aquele determinado diálogo? Por que a câmera olha para os atores daquele jeito? Qual o motivo para aquela coreografia de gestos dos atores? Que cores são aquelas? De onde ele tirou aquele olhar? De onde veio o suspiro dela? E aquelas lágrimas? Aqueles sorrisos? Aquela violência? Aquela sala apinhada de sabe-se lá o quê? Aquele silêncio prefaciando um grito?

Há duas coisas que eu estudaria, se a minha vida já não se atrapalhasse durante as 24 horas do dia: cinema e violoncelo.

Apesar de achar muito interessante alguns filmes em que o foco são os efeitos especiais, o que realmente me pega é o olhar mais íntimo: uma boa história, fotografia que se desenvolve – e se envolve bem - com o texto, diálogos bem construídos, direção competente, atuações inspiradas, trilha sonora que se mistura lindamente a tudo isso.

Assisti a um programa sobre um dos diretores que mais admiro: Alan Parker. O bom do especial era que o próprio diretor contava sua trajetória, abordava curiosidades do por trás das câmeras e citava complicações, histórias que são sempre muito bem-vindas e podem atuar perfeitamente como aprendizado.

Alan Parker
Não descarto um filme de Alan Parker. Cada um deles tem a sua peculiaridade e a sua riqueza. De O Expresso da Meia-Noite (Midnight Express/1978), passando pela aula que é assistir Mickey Rourke e Robert De Niro contracenando em Coração Satânico (Angel Heart/1987) e  Gene Hackman e Willem Dafoe em Mississipi em Chamas (Mississipi Burning/1988), chegando à complexidade de As Cinzas de Ângela (Angela’s Ashes/1999) e A Vida de David Gale (The Life of David Gale/2003).

Coração Satânico/Angel Hart | Robert de Niro e Mickey Rourke
É impossível pensar em Alan Parker e não se voltar à conexão dele com a música: Fama (Fame/1980), Pink Floyd – The Wall (1982), The Commitments – Loucos Pela Fama (The Commitments/1991) e Evita (1996).

Pink Floyd - The Wall
Assistir a um filme pode ser apenas entretenimento. Também pode ser mais, ir além. Alguns filmes merecem a época deles e conquistam as que chegam. Nem sempre remake é necessário, aliás, acontece de serem pra lá de dispensáveis.

É bom pensar em filmes como um calendário da nossa própria história. Alan Parker é um dos diretores que fez parte da minha predileção por filmes considerados mais simples tecnologicamente, mas requintados na sua construção. Às vezes, a simplicidade é complexa e conta com muitas camadas.
The Commitments
Enfim, eu sempre gostei de filmes, e os de Alan Parker fisgaram a minha curiosidade. Sempre aprendi com os filmes, e muito desse aprendizado acaba nos livros que escrevo. Uma das minhas alegrias foi quando Eduardo Loureiro Jr., ao escrever o prefácio do meu romance, Jardim de Agnes, disse: “Este livro não merecia um prefácio, mas um trailer. Este livro não é feito de capítulos, mas de cenas. Você tem vontade de ler de uma só vez. E, quando acaba, você aperta os olhos e tenta se acostumar com a luz acesa da realidade.”

Não sou escritora apegada à descrição de ambientes e características físicas. Meu foco está sempre no personagem e seus enfrentamentos. Ainda assim, é muito comum alguém dizer que, ao ler minhas histórias, sente-se como se assistisse a um filme. Essa ideia pode até não forjar uma roteirista de cinema em mim – acreditem, eu tentei e me diverti, mas foi só isso –, mas mostra o quanto o cinema é importante para a minha escrita.

O mais próximo que cheguei da linguagem do cinema, foi quando um conto do meu livro O observador foi adaptado para um curta. Na verdade, o conto está lá, sendo narrado, e o francês Émilien Berenfeld é responsável pelo filme. Fiquei muito feliz com esse projeto, que acabou reunindo pessoas muito interessantes, incluindo alguns queridos amigos. O conto Lembretes ganhou uma versão em inglês, Reminders, e o filme conta com legendas em português e francês. Segue no final, para quem quiser assisti-lo.

Documentários são importantes. Ultimamente, tenho assistido a muitos e de todas as áreas. Conhecer mais a respeito daqueles que influenciam o nosso mundo, saber que muito do que temos e fazemos hoje se deve à visão que eles tiveram, não é apenas reconhecimento do mérito dessas pessoas na História, mas também enriquecimento da nossa própria linguagem. É aprendizado e, como todo aprendizado que visa a construção, vale a pena.

Então, vamos a ele... ao aprendizado.